sexta-feira, novembro 05, 2004

CHER DEIXA DE EXISTIR

É com pesar que o Inimigo Musical anuncia o desaparecimento de mais uma figura marcante do mundo do espectáculo. E neste caso, a expressão deve ser levada à letra. Numa sucessão trágica de acontecimentos, Cher deixou, pura e simplesmente de existir.
Segundo uma fonte próxima, contactada pelo IM, tudo começou quando a cantora e actriz, entediada com o impasse em que a sua carreira se encontrava, decidiu fazer o que fazem todas as estrelas de Hollywood quando estão aborrecidas: virou-se para a espiritualidade. Acometida de um fervor religioso tão intenso como inusitado, resolveu aderir, de uma assentada, à Cabala, à Cientologia, ao Budismo, ao Hinduísmo, ao Escutismo, ao Wicka, ao Vickie, às Testemunhas de Jeová e ao Círculo de Leitores.
Cedo se apercebeu que muitas das suas novas doutrinas não viam com bons olhos o culto do corpo e, mais concretamente, as operações plásticas por motivos puramente estéticos, pelo que decidiu reverter os efeitos das várias cirurgias a que se foi submetendo ao longo dos anos.
Conforme declarou ao IM o Dr. Rudolph Rubber, o famoso cirurgião plástico de Beverly Hills, “Ela veio ter comigo decidida a remover todo o silicone que tinha no corpo. Foi peremptória, deixou bem claro que não queria que ficasse nem um grama de material sintético.”
Esta tarefa, que veio a revelar-se hercúlea, resultou numa complicada cirurgia de 72 horas.
Não pensei que fosse tão difícil”, confidenciou Rubber, “mas por baixo da cada pedaço de silicone estava mais uma demão de borracha, mais uma parafuso de plástico, mais uma perna de pau…” No final, só sobraram os dois olhos, “e um era de vidro, por isso também o deitei fora.”
Da mítica intérprete de “I Got You, Babe”, “Choop Choop Song” e “Believe”, só resta, assim, o globo ocular esquerdo. Que já fez saber que planeia lançar um álbum e entrar em digressão no ano que vem.