terça-feira, agosto 23, 2005

VASCO PULIDO VALENTE NO INIMIGO MUSICAL

Numa tentativa de aumentar os leitores desse nosso órgão de comunicação, o IM tem convidado vários nomes conhecidos da imprensa portuguesa para colaborarem com a nossa publicação. Um destes é alguém que dispensa apresentações. Vasco Pulido Valente acedeu a escrever para o nosso jornal. Estamos extremamente honrados e esperamos que isto venha trazer novos adeptos à nossa casa sem alienar outros fiéis leitores do pasquim.

Aqui temos a estreia do autor, jornalista, investigador e político nas lides da escrita musical:


LISBOA BARROCAMENTE IDIOTA

Temos assistido, no nosso pequeno meio lisboeta, a um aumentar da estupidez colectiva das pessoas que assistem a concertos. Por um lado temos as pessoas que usam crachás e vão ao Lux. Não lhes reconheço qualquer tipo de inteligência ou talento, pelo que nem sequer me vou dignar a falar mais deles. Mas a pior praga da nossa praça é uma que tem vindo a assolar alguns jovens universitários e pós-universitários. Falo dessa praga que é a Galeria Zé dos Bois. Esta gente que hoje em dia vai à Galeria Zé dos Bois, no Bairro Alto, é totalmente idiota. Nunca vi tanta estupidez junta. Parecem ovelhas todas à procura da mais recente boçalidade musical. Em termos históricos, já todas aquelas parvoíces foram feitas pelos tipos do free jazz nos anos 60 e pelos homens do pós-punk nos anos 80. E se já nessa altura era mau, então agora...

Até uma noite destas,
Robinho, o novo editor do Inimigo Musical