quinta-feira, novembro 10, 2005

ESQUADRÃO GLTG

Depois do êxito estrondoso do programa televisivo “Esquadrão G” (não, a sério!), o conceito vai ser ampliado e aplicado à indústria musical. Vem aí o Esquadrão GLTG (gay, lésbico e transgender).

O Esquadrão promete mudar a imagem de algumas bandas e cantores nacionais, de acordo com os elevados padrões de bom gosto que, como todos sabemos, estão geneticamente associados às orientações sexuais alternativas.

Assim, a facção G do Esquadrão estará representada pelo cantor Alex, responsável pelo hit “Mister Gay”, essa verdadeira ode à libertação sexual. Alex será responsável pela renovação da imagem de uma das mais emblemáticas bandas rock nacionais, os Mão Morta.
Gosto muito dos Mão Morta, e eles são uma das maiores influências do meu percurso artístico”, admitiu Alex ao IM, “mas parece-me que eles têm uma imagem demasiado rude. Precisam de se suavizar um pouco, e de deixar desabrochar o seu lado feminino”.
Questionado sobre qual o seu plano para fazer os Mão Morta, erm… desabrochar, Mr. Gay não hesita: “Vou começar pelo nome. ‘Mão Morta’ é um nome muito desagradável, vou obrigá-los a mudar para ‘Dedo Mindinho’. E o Adolfo tem de perceber que ‘Luxúria Canibal’ também não são apelidos que se apresentem. A partir de agora vai passar a ser conhecido por ‘Adolfo Fofura Sentimental’”. Quanto ao estilo musical da banda, “não está mal, mas faltam-lhes umas baladas, e talvez um toque disco-sound. E temos de fazer qualquer coisa quanto à voz do Adolfo, dar-lhe umas pastilhas para a garganta ou assim, para ver se trata daquela rouquidão e liberta finalmente o falsete que tem dentro dele”.

Já o contingente L do Esquadrão estará a cargo da veterana Dina, a mais famosa intérprete de canções sobre cestas de fruta (e pepinos, na versão inglesa). A cantora vai pegar nos D’ZRT e, nas palavras da própria, “fazer dessas amélias uns homens. Essa cena toda das boys bands parece-me um bocado apaneleirada. Muita coreografia, muitos saltinhos, muita roupinha a condizer, aposto como também se depilam e usam cremes. Isso deixa-me doente.” (pausa para cuspir para o chão). “Quando eu acabar de dar conta deles, vão estar irreconhecíveis. Duas semanas sem lavar a cara, rapar os sovacos ou fazer a barba, e estão feitos uns típicos machos portugueses, como eu. Que me cortem já aqui a unha do dedo mindinho se eu não endireito esses larilas!

Por outro lado, da secção TG do Esquadrão estará encarregue um dos mais famosos travestis do meio musical português, o vocalista dos Fingertips, também conhecido por Cláudia Sofia, que assumirá o desafio de transformar um homem de barba rija numa mulher perfeita. “A ideia é pegar em alguém que nunca imaginaríamos num papel feminino, e transformá-lo numa mulher credível”, esclareceu-nos o/a vocalista da popular banda de músicas para anúncios de cerveja (sem álcool, claro). “Quis escolher um homem sem um pingo de feminilidade, para tornar o desafio o mais aliciante possível. Ainda pensei no Quim Barreiros, ou no António Manuel Ribeiro dos UHF, mas depois de reflectir muito sobre o assunto, acabei por me decidir pela Sónia Tavares, dos Gift”.

O IM aguarda ansiosamente pela estreia do programa.